Antonio Bandeira

Fortaleza, CE, 1922 – Paris, França, 1967


Pintor, desenhista e gravador influenciado pelo expressionismo, Bandeira retrata, no começo de sua carreira, aspectos dramáticos da vida nos subúrbios de Fortaleza. Foi uma figura importante na fundação do Centro Cultural de Belas Artes e dois anos depois da Sociedade Cearense de Belas-Artes, que foram importantes para mobilizar as artes visuais cearenses.


Contemplado com uma bolsa de estudos, viaja para Paris em 1946, cidade onde passa longas estadias até o fim de sua vida. Em busca de uma arte que fosse além do ensino da academia, Bandeira larga os estudos e passa a participar de reuniões de artistas como Camille Bryen (1907 - 1977) e Wols (1913-1951). Formam o grupo BanBryols que, embora de duração efêmera, tem presença significativa na história da pintura abstrata – os quadros produzidos por ele nessa época o consagraram com um grande pintor da abstração lírica. Seus trabalhos em guache e nanquim não mais contornavam figuras, mas apenas sugeriam formas, incorporando manchas, riscos e borrões à obra.

Cidade

Cidade 

Óleo sobre tela 

80 x 100 cm 

1964