Antônio Henrique Amaral - Artista | Almeida & Dale

Antônio Henrique Amaral

São Paulo - São Paulo, 1935 São Paulo - São Paulo, 2015

A série de pinturas Bananas, concebida por Antônio Henrique Amaral, entre 1968 e 1975, é um dos trabalhos mais conhecidos do artista. A fruta é adotada em sua poética como alegoria de sua insatisfação com o momento político; usada como uma espécie de Alter ego irônico da identidade nacional. Em suas telas, a banana é trabalhada em diversas situações: solitária e em cachos, transpassadas por cordas, facas ou garfos, maduras, verdes ou apodrecidas.

O uso da fruta alude à ditadura militar assim como ao nacionalismo propagandeado por slogans como "Brasil, ame-o ou deixe-o". A escolha da fruta remete também às imagens da representação nacional propostas pelo Modernismo Brasileiro, que se inicia com a bananeira em Tropical (1917), de Anita Malfatti, passando pela pintura A Negra (1923), de Tarsila do Amaral, e Bananal (1927), de Lasar Segall.

Ao longo de sua carreira, Antônio Henrique Amaral elege outras imagens alegóricas do Brasil em sua poética, resultando nas séries com garfo, bambu, seios e enormes torsos na representação de matas e paisagens urbanas estilizadas. Seu trabalho incorpora elementos da estética surrealista, da pintura figurativa e até mesmo da publicidade e do grafite da década 1960; para a criação de símbolos que falam da relação do humano com o contexto político do Brasil e do mundo.

Diálogo impossível, 1967

óleo sobre tela
90 x 119 cm

Floresta tropical, 1984

óleo sobre tela
126 x 126 cm

Calendário, 1970

Óleo sobre tela
130 x 85

Banana, s.d.

Óleo sobre tela
40 x 60,5cm

Segunda a sexta-feira das 10h às 18h
Sábado das 11h às 16h
Exceto feriados

+55 11 3882 7120
galeria@almeidaedale.com.br

Rua Caconde, 152 – 01425–010
São Paulo – SP